BLOG

Qual a diferença entre eczema, dermatite e psoríase?

As doenças de pele são muito comuns entre as pessoas e, na maioria das vezes, os médicos fazem o diagnóstico através de simples visualização. Algumas dessas doenças possuem sintomatologias muito semelhantes, como é o caso da psoríase, da dermatite e do eczema.

 

ECZEMA

O eczema é um processo cronico ou agudo de inflamação da pele, que se apresenta na forma de manchas avermelhadas com pequenas bolhas. Apesar de prevalecer em algumas partes do corpo, como nas mãos e no rosto, a doença também se pode manifestar no corpo todo.

Pode-se distinguir a doença em dois tipos: o eczema de contato e o eczema atópico.

No primeiro caso, este tipo de eczema é causado por agentes irritantes, tais como, os sabonetes, joias (sobretudo o níquel), roupas sintéticas, cosméticos, etc..

Já no segundo caso, o eczema é desenvolvido no início da infância, sendo muitas vezes considerada uma doença hereditária (existência de um histórico da doença na família).

As causas desta doença não são totalmente conhecidas, mas sabe-se que o fator genético influencia no tipo de eczema, quer atópico, quer de contacto. A ajuda médica é fundamental para descobrir qual é a causa do eczema e, assim, poder contribuir para o seu tratamento. Para aliviar os sintomas, o médico pode indicar pomadas hidratantes, anti-histamínicos e corticoides tópicos.

 

              
          Imagem de eczema atópico       imagem de eczema de contacto

Conheça aqui a nossa solução para o eczema

 

DERMATITE

Assim como o eczema, a dermatite é uma reação alérgica da pele que gera vermelhidão, coceira, bolhas e pode atingir qualquer parte do corpo. A dermatite pode surgir em qualquer idade, por diversos motivos, sejam eles genéticos, emocionais, como o stresse, ou desencadeados por agentes externos* (ex: clima frio, roupas sintéticas).

Veja o nosso post sobre causas e fatores desencadeantes do eczema e da dermatite atópica

Existem diferentes tipos de dermatite, sendo que estes podem ser confundidos se não forem diagnosticados corretamente.

Os tratamentos para esta doença variam de acordo com o seu tipo e intensidade, mas independente do tipo da dermatite que possa sofrer, é muito importante não se automedicar e procurar a ajuda de seu dermatologista

.

PSORÍASE

Afetando entre 2 a 4 por cento da população mundial, a Psoríase é uma doença inflamatória complexa sem cura que afeta, sobretudo, a pele. Estima-se que em Portugal, esta doença afete cerca de 300.000 pessoas. (Se é associado da PSO Portugal, beneficie dos nossos descontos, veja como aqui).

O que é a psoríase?

A psoríase é uma doença inflamatória crónica complexa, eminentemente cutânea, caracterizada por áreas bem definidas de pele espessada, rosada ou avermelhada, habitualmente cobertas de escamas ou crostas prateadas. Pode ocorrer inflamação articular em cerca de um terço dos doentes.

 

                   Imagem de psoríase

 

Quem sofre de psoríase?                            

A psoríase afeta 2 a 4% da população mundial, estimando-se em 300 mil o número de doentes em Portugal. Homens e mulheres são igualmente afetados, ainda que possa haver diferenças entre grupos raciais. Pode iniciar-se em qualquer idade – mesmo na infância – mas tem picos de aparecimento entre os 15-25 anos e os 50-60 anos. Tende a persistir ao longo da vida, com períodos de agravamento e melhoria. É uma doença de base genética sendo possível identificar familiares afetados em cerca de um terço dos doentes.

O que causa a psoríase?

A psoríase é multifatorial, em que fatores imunológicos, genéticos a ambientais contribuem para o seu aparecimento.

Sistema imune – A pele tem diferentes camadas. A mais superficial é a epiderme: é constituída por células que estão em constante divisão e que acabam por morrer, cobrindo toda a superfície corporal com uma película de células mortas denominada estrato córneo. Todos os dias, à medida que as células da epiderme morrem e passam a fazer parte do estrato córneo, algumas células desse estrato são também libertadas, prevenindo que a camada córnea se torne muito espessa. A camada média da pele é a derme onde se localizam o colagénio e os vasos sanguíneos. A mais profunda é o tecido celular subcutâneo (hipoderme) que é basicamente uma camada de gordura.

Na pele afetada por psoríase, células imunitárias penetram na pele provenientes da circulação sanguínea, acelerando a divisão celular da epiderme e alterando o normal mecanismo de libertação das células mortas da camada córnea. Isto provoca espessamento da pele e o aparecimento das escamas e crostas características da doença. Ocorre igualmente dilatação e alongamento dos vasos sanguíneos da derme que suportam o crescimento rápido da epiderme e que conferem o aspeto eritematoso da pele.

Genética – Os fatores genéticos são muito importantes no desenvolvimento da psoríase: o perfil genético do indivíduo influencia o tipo de psoríase e a resposta ao tratamento. Não há contudo nenhum teste genético que possa diagnosticar ou determinar se um indivíduo irá desenvolver a doença.

Factores ambientais – Alguns estímulos podem aumentar o risco de desenvolver ou agravar a psoríase como sejam o stress físico, o stress psicológico, infeções por bactérias ou vírus, medicamentos (anti hipertensores, anti-inflamatórios, anti maláricos, entre outros) e o tabagismo.

A psoríase não é contagiosa, pelo que não é uma doença que se possa “apanhar” de outras pessoas, nem “passar” para outras pessoas. As lesões de psoríase não são infeciosas.

Como se manifesta a psoríase?

A psoríase manifesta-se clinicamente como placas (pele espessada) de bordo bem definido, simétricas, eritematosas (rosadas ou avermelhadas) e descamativas. As escamas que se libertam são habitualmente prateadas, o que confere à pele lesada um brilho característico. Quando a descamação é muito intensa, podem formar-se crostas. Toda a superfície cutânea pode ser afetada mas é mais comum nos cotovelos, joelhos e couro cabeludo. Também as unhas poderão estar envolvidas, com descoloração, manchas esbranquiçadas ou avermelhadas, espessamento e deformação.

Muitas vezes as lesões são pruriginosas, podendo o prurido ser muito intenso nalguns doentes. Em zona de pele mais seca, podem surgir fissuras e gretas dolorosas.

As placas são muito persistentes sem tratamento. Quando resolvem, podem deixar manchas acastanhadas ou mesmo esbranquiçadas que podem durar meses até desaparecer.

Como se diagnostica a psoríase?

Não há nenhuma análise de sangue ou exame específico para diagnosticar a doença. O Dermatologista precisa normalmente apenas de observar a superfície cutânea para determinar se se trata de psoríase. Quando existem dúvidas, pode ser necessária retirar um pequeno pedaço de pele (biópsia cutânea) para ser observada ao microscópio. A história familiar pode contribuir para o diagnóstico.

Saiba mais sobre a psoríase aqui.

E para saber mais sobre a saúde da pele clique aqui